A busca do amor verdadeiro / Como é difícil ser solteiro!

Sabe, nenhum amor é perfeito. Quer dizer, o sentimento é, mas nós, pobres seres humanos, somos tão geneticamente programados para fazer merda que conseguimos cagar num sentimento tão nobre como esse. Desculpe se estou sendo direta demais, chocante até, ou se de alguma forma te ofendi, mas no momento estou só sendo sincera, nada mais que isso.
Lembro que quando era mais jovem (nossa...parece que tenho uns 60 anos, né?! Mas enfim...) quando eu era mais jovem, pura e besta, e, ansiava por um amor de contos de fadas, eu me perguntava quando – pelo amor de Deus - aquilo ia acontecer comigo. Eu ficava numa aflição tão grande que só a ideia de nunca o encontrar me doía. Sempre fui muito romântica e lia/assistia muita coisa do gênero. E por mais que eu fosse muito pessimista a respeito de mim mesma, eu acabava sempre me convencendo de que “um dia vai acontecer!” Agarrava-me a essa ideia como uma tábua salvadora da vida de merda que eu tinha. E, caralho, como foi difícil ser – eu – adolescente.
Comumente eu escutava: “essa é a melhor fase da sua vida”. Porra...se adolescência é a melhor fase da vida, quero nem ver o que vem pela frente... eu pensava. Mas graças a inteligência que rege a vida dos seres humanos, a melhor fase, crianças, vem mais à frente. Porque sim, melhora. A vida melhora porque você passa a ter mais possibilidades, mais autonomia, mais liberdade e consequentemente mais chances de se encontrar.
Mas, porran, como eu me perdi para me encontrar!
Fiz tanta, mas tanta merda que vocês não têm ideia. Mas todos os erros e acertos têm um gosto muito melhor na fase adulta; é tipo lavar a louça da própria casa: é sua. Não tem ninguém lhe ditando ordens (tirando seu chefe...), somente a vida que te obriga a viver.
Uma mentira que quando para gente é que: só mulheres amam.
Mentira.
Homens amam, mas foram ensinados a não amarem. Afinal, homem não chora. Homem tem de ser forte, nervos de aço, rico e pegar geral. MAS QUE MERDA, HEIN, AMIGOS! Podem culpar seus pais, avós, bisavós e a geração inteira que cagaram essa regra estúpida. Quem paga o pato? Todos nós. (Ops! Em época de crise política, melhor não falar em patos.)
Fico aqui pensando como é crescer sabendo que você tem de fazer muito dinheiro para poder merecer o amor de uma mulher. Na boa, se eu fosse lésbica ou fosse um cara e acreditasse nisso, ia me sentir muito mal. Ninguém merece ficar com alguém que quer o que você tem e não você com seus sentimentos. Essa é outra mentira que ensinam: mulheres só te querem pelo dinheiro e conforto.
“Ah, mas tem mulher interesseira” Tem. Mas também tem homem babaca que perpetua o estigma de que homem não presta.
Vamos parar de ser idiotas e de querer justificar um erro com outro?
Vamos.
Ok. Continuando.
Este post é sobre amor. Não é sobre interesse financeiro ou sexual. Se você está numa vibe diferente da sua vida ou não quer ler nada disso porque é demais para você, só cai fora daqui e vai ser feliz. Gente feliz não enche o saco.
Então, como estava dizendo... a vida é difícil e nos ensinam besteiras desde tenra idade. Nos fazem acreditar que não valemos nada. Que você, homem, tem de ser sobre humano e ocultar as emoções, ter dinheiro porque sem ele você nunca vai “pegar” ninguém. Que você, mulher, tem que ser santa na rua e puta na cama, mas ai de você se ele ou os outros souberem que você é “puta”!
É muita cagação de regra. Muito sofrimento auto-infligido. Então é hora de parar com tudo isso.
Reconhecer e aceitar o sentimento dentro de você é o primeiro passo. Lidar com ele é o segundo. Vivenciar é para sempre. O segredo mesmo é ser feliz. Não importa se você é homem ou mulher e se gosta de homem ou mulher. Apenas seja feliz! Seja legal e não seja babaca! Não é muito difícil.
Eu já vi muito amiguinho distratando menina porque teve vergonha de corresponder o sentimento. Já vi cara achar que aquela lenda de que toda mulher gosta de malandro se aplica à todas, e por isso, ele pisa no crush e quando ela cansa do idiota, ele fala que mulher não sabe o que quer. Eu já vi homem mentindo para si mesmo dizendo que não gosta da Fulana e resolvendo pegar geral para provar algum ponto, mas quando a viu com outro, ficou aos prantos.
Como eu disse lá em cima no primeiro parágrafo o ser humaninho consegue estragar um sentimento perfeito como o amor.
Só fui capaz de perceber essas coisas por vivência e também porque escrevo. Ser escritora me permite viver mil vidas em uma só – clichê, mas verdade – é incrível também.

Escrevo histórias de amor e recebo contato de leitores (ambos os sexos de diferentes idades) e o que pude perceber é que todo mundo quer amar e ser amado. Todo mundo sofre no caminho. É inevitável. É a vida. Mas se você é uma pessoa bacana e persiste na ideia, uma hora a pessoal certa aparece e você vai aprender que a matemática do amor não é fração, nem subtração. Está mais para soma e multiplicação.  

Comentários